Gávea

Gávea

Estádio José Bastos Padilha
  • Jogos 230
  • Vitórias 175
  • Empates 23
  • Derrotas 32
  • Gols Pró 654
  • Gols Contra 238

Primeiro Jogo do Mengão no Estádio

  • Flamengo
  • 0
  • Campeonato Estadual (1938) 04/09/1938 | Gávea, RJ mais informações
  • 2
  • Vasco (RJ)

Último Jogo do Mengão no Estádio

  • Flamengo
  • 3
  • Taça Rio (1997)
    (Campeonato Estadual)
    27/04/1997 | Gávea, RJ mais informações
  • 0
  • Americano (RJ)

Conheça o Estádio

O Estádio da Gávea, cujo nome oficial é Estádio José Bastos Padilha, foi inaugurado em 4 de setembro de 1938, no jogo C.R.Flamengo 0x2 Vasco, valido pelo Campeonato Carioca e Niginho do Vasco, foi o autor do primeiro gol do estádio. Fica situado no bairro da Lagoa, no município do Rio de Janeiro, no Brasil, sua capacidade máxima é de 8 mil pessoas. Seu proprietário é o Clube de Regatas do Flamengo. O estádio recebeu o nome de José Bastos Padilha, presidente do clube entre 1933 e 1937. O recorde de publico foi em 23 de Dezembro de 1941 no jogo Clube de Regatas Flamengo 1x1 Fluminense Football Club, valido pelo Campeonato Carioca,com 15.321 torcedores.

 

História do Estádio

Texto do Professor e Jornalista de Roberto Assaf

O Estádio do Flamengo completou seu 69º aniversário em 2007. Mas a sua história, na realidade, começa em janeiro de 1926, quando um grupo representativo de rubro-negros, liderado pelo presidente do clube, Faustino Esposel, iniciou entendimentos com o prefeito do então Distrito Federal, Alaor Prata, para obter um terreno onde pudesse erguer uma nova sede para os chamados "sports terrestres". A área oferecida, de 34.120 metros quadrados, literalmente às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas, chegou a ser descartada, pois parte do quadro social a considerou "um areal de fim de mundo", que dependia em sua parte de aterro e, é claro, de urbanização. Mas a habilidade de Esposel contornou a situação, e o contrato de arrendamento acabou sendo assinado em 2 de março daquele ano. O Flamengo, no entanto, só passou a planejar a transferência das atividades para o local, conhecido então como Freguesia da Gávea, em 1931, na administração Carlos Mamede. Faltava sobretudo, para torná-la uma autêntica "praça de sports", o dinheiro para a construção do estádio de futebol, problema que começou a ser solucionado com a compreensão dos associados, que concordaram com um acréscimo em suas mensalidades. Além disso, foi preciso que o prefeito Pedro Ernesto, atendendo a pedido do presidente rubro-negro José Bastos Padilha, concedesse, através de decreto, um empréstimo de 70 contos de réis para as obras. Em 1935, o projeto de Armando Perry, Raphael Galvão e Ricardo Antunes Júnior, jovens e premiados arquitetos, ganhou a aprovação da Prefeitura. Em 7 de agosto de 1936, o clube promoveu uma festa para o lançamento da pedra fundamental do estádio, que foi enfim inaugurado em 4 de setembro de 1938, já na administração Raul Dias Gonçalves. A obra ganhou tal destaque que a Cinédia, principal empresa cinematográfica brasileira da época, decidiu produzir o filme "Alma e Corpo de Uma Raça", dedicado ao Flamengo. Com direção e roteiro de Milton Rodrigues, mostrava não só a "moderna e arrojada praça de sports" em detalhes, mas também o cotidiano dos atletas do atletismo, do basquete, da esgrima, da natação, do remo, e é claro, do futebol, como Walter Goulart, Domingos da Guia e Leônidas da Silva, representantes do clube na Seleção Brasileira que obteve o terceiro lugar na Copa do Mundo disputada na França. Contagiado pela euforia do quadro social e dos torcedores, que ocuparam todos os 20 mil lugares, o Flamengo perdeu de 2 a 0 para o Vasco na inauguração do estádio, mas devolveu a derrota - que na prática não teve nenhuma importância - em grande estilo na decisão do Campeonato Carioca de 1944, quando venceu o rival por 1 a 0, gol épico de Agustín Valido, restando dois minutos para o apito final do árbitro Guilherme Gomes. Naquele ano do primeiro tri de sua história, na primeira gestão de Dario de Melo Pinto, o estádio teve a sua capacidade ampliada para 25.750 espectadores. Nos anos seguintes, pelo menos três presidentes trabalharam para o chamado Parque Desportivo da Gávea fosse melhorado: Mariano Machado de Oliveira (1945), Hilton Santos (1946) e Orsini Coriolano (1947/48). Mas somente no período 1949/50, durante o segundo mandato de Melo Pinto, é que o Flamengo pôde aumentar consideravelmente a sua área, graças à influência de Melo Pinto, então em seu segundo mandato, junto ao prefeito Ângelo Mendes de Morais. De junho de 1950 em diante, com a inauguração do Maracanã, e com o crescimento sempre significativo da torcida, o pequeno estádio passou a ser utilizado apenas para jogos de menor porte. Mas vale destacar ainda que entre 1962 e 1965, na administração Fadel Fadel, os departamentos dos esportes amadores ganharam mais espaço, com a construção das quadras polivalentes, das dependências do remo, às margens da Lagoa, onde tudo começou, além de cinco piscinas, duas das quais olímpicas, ampliando o terreno da sede para 72 mil metros quadrados. Em 1994, na gestão Luiz Augusto Veloso, o estádio foi batizado como "José Bastos Padilha", uma homenagem ao homem que mais batalhou por sua conclusão. Nos dias de hoje, o Flamengo luta para pôr em prática o Programa Revitalização da Gávea, visando repetir, mas seguindo conceitos modernos, o que fez no distante 1938, quando transformou o "areal de fim de mundo" em bairros supervalorizados como a Gávea, o Leblon e parte da própria Lagoa.

Obs: Niginho do Vasco marcou o primeiro gol do estádio.